Com a obra “Desenho Infinito”, Jean Paul Ganem faz land art comestível na Serrinha



Land Art é um movimento artístico que surgiu na década de 60 integrando a natureza e a arte. Onde os artistas buscavam se utilizar de materiais provenientes da própria natureza para a criação de suas obras.


Segundo a publicação feita por Arte Brasileiros, o artista franco-tunisiano se inspirou em um grafismo da tribo Kaingang para fazer a obra "Desenho Infinito", misturando a arte comestível com a cultura indígena brasileira.


Ganem fez a intervenção na Fazenda Serrinha, em Bragança Paulista. Ainda de acordo com a publicação, para realizar o trabalho ele se aliou à chef e pesquisadora Bel Coelho, especialista em comida brasileira. “A sugestão dela foi a culinária indígena com plantas capazes de compor o desenho da cestaria Kaingang”. Desenho Infinito foi realizado por uma equipe que conta com arquiteto, agrônomo, estudioso de plantas comestíveis e medicinais e com algumas pessoas da fazenda.


Visto em retrospectiva, o artista há três anos realizou a intervenção Espelho d´Água, com um quilômetro e meio de desenho sinuoso feito com a planta napier roxo, envolvendo reflorestação. Ele trabalhou um eco sistema coerente, associando uma floresta tropical às terras sinuosas da Serrinha, na parte mais baixa da fazenda. A vista aérea do Espelho d´Água e algumas intervenções de Ganem em outros países estão no livro Un art amoureux de nature, ao lado das obras de Robert Smithson e de outros ícones da land art.


Saiba mais detalhes sobre a obra e o artista no site Arte Brasileiros.


7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo